São Paulo: o novo endereço do carnaval de rua do Brasil

0 comentário

São Paulo colocou os blocos na rua no último final de semana e provou que nossa cidade não é o túmulo do samba, mas o futuro destino turístico da folia. Só nas áreas da Prefeitura Regional Sé foram 48 blocos no pré-Carnaval, de diferentes tamanhos, que mostraram a nossa diversidade cultural. Até o dia 5 de março, serão mais 118 atrações, tornando a região da PR-Sé a maior em número de blocos.

As ruas do Centro abraçaram desde os blocos comunitários até o maior da cidade: o Acadêmicos do Baixa Augusta que arrastou mais de 350 mil pessoas pelas ruas da Consolação.

A vontade de participar desta festa levou mais foliões do que a estimativa, mas foi possível oferecer uma estrutura maior e mais agilidade, do que nos anos anteriores, para contornar os imprevistos que naturalmente acontecem. Isso só foi possível após diversas reuniões com os blocos, CET, Polícia Militar, Guarda Civil Metropolitana e patrocinadores. Respeitamos a história dos blocos e oferecemos itinerários que oferecessem estrutura e segurança a eles, independente do tamanho.

Assim, o bloco da limpeza colocou, além de maquinário pesado, 400 profissionais após a passagem dos foliões na região da Sé que utilizaram 950 litros de desinfetante e 474 m³ de água de reuso.

Rua da Consolação

Rua da Consolação logo após a passagem do bloco Baixo Augusta 19/02/2017

Conseguimos passar no teste, entregando a cidade limpa mesmo com a demora de alguns blocos na dispersão. A minha sensação é que a primeira etapa foi cumprida e de que nossa gestão está preparada para os próximos dias de Carnaval.

Além do setor público oferecer a estrutura, o paulistano pode ajudar a fazer a festa ainda mais bonita não levando bebidas em garrafas de vidro nos trajetos e evitando acidentes.

O Carnaval como uma festa popular deve contar com a alegria, o respeito e a colaboração de todos com atitudes simples que contribuem para melhorar o clima nas ruas e a segurança. Eu estou pronto e você?