Aberração urbana

(3) comentários

FullSizeRender

A morte do homem contratado para resgatar uma dependente química na Cracolândia, a qual podemos afirmar tratar-se de mais uma “refém” dos traficantes, nos revolta como cidadãos. O rapaz ficou 3 dias sob tortura de traficantes e convivência dos usuários de drogas que ali agonizam. O desfecho foi o pior possível.

O local é insalubre e gostaria de relatar como funciona uma simples limpeza diária: a negociação é feita com os líderes, tem até uma pastora e um frei, mas a palavra final é dada pelos traficantes que orientam o pessoal a desmontar as barracas em horário combinado, geralmente, às 8h. As equipes da prefeitura, caminhão basculante, caminhão pipa, compactador, 15 agentes de limpeza, 10 agentes de apoio, sob o acompanhamento de, pelo menos 15 guardas civis metropolitanos, executam a limpeza no fluxo em contagem regressiva, geralmente num prazo de hora e meia. Após a rua ser lavada, os “donos” do local retornam com seus carrinhos e objetos e nenhum agente público pode ficar, sob pena de agressão.

É comum o agente público receber pedradas ou até pauladas por ficar um tempo a mais ali. Os caminhões recolhem entre 4 e 6 toneladas de lixo por dia. Quando a tensão aumenta e os funcionários ficam ainda mais expostos, a limpeza não acontece durante alguns dias. Nesses pequenos períodos a prefeitura chega a tirar mais de 20 toneladas de lixo, como ocorreu no último dia 10. Ao retomarem o território, remontam suas barracas e o lixo rapidamente ressurge. Assim, a rotina de terror segue.

Milhares de pessoas se concentraram em poucas quadras, deitam direto no asfalto ou dentro de barracas, onde, obviamente, não há banheiro. Alguns se afastam algumas quadras para encontrar um local “discreto” entre um veiculo estacionado e uma árvore e ali se agacham para fazer da calçada, do belíssimo Campos Elíseos, um banheiro a céu aberto. Por conta dessa situação, diversas ruas como a Helvétia, Barão de Piracicaba, Alamedas Glete e Cleveland e no Largo Coração de Jesus, são lavadas dia após dia. Os moradores se sentem impotentes, e no momento são, mas não somente eles.

Mesmo com toda essa operação diária, sente-se o cheiro à distância. Quanto mais próximo ao fluxo, mais forte o cheiro. Pessoas e fezes se misturam, literalmente. Trata-se do extremo da degradação humana. Parece que só é possível suportar esse caos se estiver, completamente fora da realidade e da percepção do mundo real, viajando e alucinado pela ação das pedras de crack.

“Só os mais sádicos podem criticar a retirada de um ser humano, mesmo que a força, de um terror desses.”

A relação entre dependentes e traficantes é de escravos-reféns, pois quando recebem ordens dos traficantes, fazem qualquer coisa, chegam até a promover, orquestradamente, vandalismo e saques no comércio da região. Cenas tão assustadoras que nem os piores filmes de terror retrataram.

Aquela região sofre há anos de políticas públicas fracassadas, como a imbecilidade da política de redução de danos, entre outras. Essa tragédia humana e degradação urbana está próxima do fim. Agora, Governo do Estado e Prefeitura de São Paulo estão unidos pela primeira vez com o objetivo de por ponto final nessa aberração urbana. Com olhar para a saúde dos dependentes e policial para os traficantes, a Cracolândia caminha para o destino certo: deixar de existir.

Sem dúvida alguma será um ato de humanidade e amor pela cidade.

[Update]

Confira abaixo como foi a mega operação do dia 21/05/2017 na Cracolândia:

Imagens de antes e depois do local onde ficava a Cracolândia:

Informe-se:

 

  • MegaaMiga

    Parabéns aos envolvidos, ninguém que respeite a vida pode concordar com a permanência desse e outros locais que facilitem o “suicídio”… Alem da segurança, não só do local mas para “abastecer” o vicio qq pessoa vira alvo. Levem, tratem, certamente alguns conseguirão voltar a vida!

  • Dilze Lima

    Chocante o seu relato, Edu. Parabéns pelo trabalho. Conheço você e tenho convicção que tuas ações irão propiciar a recuperação de área tão degradada. Malditos aqueles que combatem a boa política público em nome da demagogia. No fundo, favorecem a desgraça do dependente e o lucro do traficante.

  • Osvaldo Ribeiro Filho

    Total ausência de governo! Só o povo pode mudar! !